Dias de Verão

Lamento a falta de notícias mas o meu computador anda semi-avariado, ou seja, trabalha, mas não muito; o que não me tem permitido postar as novidades. Felizmente, uns amigos foram de férias e, na falta de cão, deixaram-me o portátil, o que me permite escrever a contar as últimas.



Agosto é sempre um mês muito movimentado, com muitos cães a entrarem e saírem, e este ano não é excepção.



Tenho a felicidade de conhecer e conviver com cães maravilhosos e sinto-me privilegiada por isso. Cada um reage à sua maneira por se encontrar numa casa estranha, com pessoas e cães estranhos. Uns fazem amizade, outros reagem com medo, uns aceitam apenas companheiros caninos do sexo oposto, outros nem isso…



Todos precisam de um tempo de adaptação, que pode ir de 5 minutos a 5 dias, mas, mesmo os mais assustados e desconfiados, acabam por se adaptar e sentir mais confiantes.



Um exemplo: o Peter, um cão lindíssimo, lindíssimo (a pena que tenho de estar sem máquina fotográfica) ao início recusava-se a entrar na marquise. Dormia no pátio, ao relento, apesar de estar habituado a dormir no quarto dos donos. Com o tempo, com biscoitos e muita persuasão, acabou por se sentir confortável na marquise. Acho que se tivesse passado cá mais tempo, acabaria por entrar no resto da casa!



Outro exemplo: o Paço sentiu-se triste nos primeiros dias que cá passou até que um dia, sem eu saber porquê, mostrou-se alegre e desafiou-me para brincar. Até passou a alimentar-se melhor!



Agora está cá a Rita, uma doce cadelita, muito assustada, que não aceita a companhia dos outros cães, mas aprendeu a gostar de mim e até já me desafia para brincar.



A Girassol, o Manuel, o Talibocas e a Spring vão estando, aceitando melhor ou pior os hóspedes, sobrevivendo ao calor quando ele aperta e estão cada vez mais mimados!

2 comentários:

CC disse...

Gostava de ter esta vida...

Casa do Pinhal disse...

É uma bela vida, sim! Trabalhosa, sem dúvida, mas faço o que gosto e sou muito mimada pelos cães. Não poderia desejar melhor!

"Sempre que um cão sai das minhas mãos para uma nova família, desejo que o tratem tão bem, ou ainda melhor, que eu. Desejo que compreendam que o cão não entra na suas vidas para os fazer felizes, mas, inversamente, a ideia é eles fazerem feliz o cão."