Os Números (parte 2)


Querem falar de dignidade? Querem mesmo falar de dignidade?
Onde é que está a dignidade? Olhem para a realidade, para os cães que vivem acorrentados, que vivem nas ruas, que morrem à fome, de doenças, atropelados… Onde está a dignidade dessas vidas?
Acham bem um cão fugir atrás de uma cadela com o cio, correndo o risco de ser atropelado, envolvendo-se em lutas, ficando ferido? Pois, mas está “inteiro”! Inteiro? Ficou sem um bocado de uma orelha, tem um lanho num olho, coxeia de uma pata… Está inteiro?
Cães que vivem em abrigos anos e anos, por vezes, toda uma vida. Onde está a dignidade?
A esterilização/castração não é uma forma das pessoas que dedicam a vida aos animais terem menos trabalho. Não é um lobby para enriquecimento dos médicos veterinários.
É a forma de proporcionar aos cães e gatos maior qualidade de vida. É a única forma de combater o flagelo do excesso de população de cães e gatos.
Tudo me parece tão óbvio que me falham as forças para argumentar mais… No entanto, se subsistirem questões, por favor, sintam-se à vontade para as colocar. Terei todo o gosto em tentar responder.

5 comentários:

Pandora disse...

Olá,
mais uma vez venho aqui dar-te razão.
Sempre tive cadelas, e era um caus nas semanas do ciu. Ia para a rua com elas armada de um pau, e sempre a horas impróprias. Felizmente havia um terraço do prédia onde elas podiam ir, mas depois tinha de limpar tudo, o que não era muito fácil, porque não havia água, e era do condominio. No entanto elas nunca tiveram filhotes. Não cabia nas nossas cabeças deixar nascer "n" cachorrinhos (por muito apelativo que fosse), para depois dar a quem??? Nessa altura não se falava em exterilizar as cadelas, nem tão pouco os cães. Apenas os gatos eram "capados", e eu não tinha gato!
Nessas alturas elas sofriam imenso, pois a Natureza chamava, e elas não tinham como ir...Ganiam, e ladravam á porta durante duas semanas. A minha ultima cadela morreu com 15 anos...

Agora tenho dois gatos. O Mozart com 14 anos e o Mateus com quase 3. São ambos castrados e activos, elegantes e felizes aqui em casa. Nem sequer vão á rua, porque moro á beira de uma estrada principal, e está-se mesmo a ver o que é que acontecia num simples passeio, não é?
Agora, em relação a alimentar o bolso dos vets, posso dizer que o Mateus foi castrado pelas vets do Canil/gatil do Conselho, por bastante menos de metade do preço da clinica e com a agravante de o dinheiro ser para o abrigo.
Não se justifica, não exterilizar animais SRD, que depois ninguem quer. Até os de raças puras são postos fora...
As pessoas que pensam o contrário provavelmente nunca se deram ao trabalho de tomar conta deles nessas altura, e deixam-nos andar á vontade. Depois é facil...quem tem femeas, despacha os bebés num balde de água, ou então vai dando (a quem ?). Quem tem machos ...está na boa!

Beijos minha querida.

Casa do Pinhal disse...

Pandora, obrigada! :)
A verdade é que o sofrimento dos cães e gatos me toca especialmente e não consigo entender que pessoas que se dizem preocupadas com o bem estar animal sejam contra a esterilização e castração.
Fico demasiadamente "eriçada" ...
Enfim, a luta continua!
Beijos
i

Isa Aires disse...

Há dias encontrei no vet uma pessoa conhecida k
ia buscar a gata dela, k tinha tido bebes ... disse-me k com akeles eram mais de 20 gatos, k tinha em casa! :P
Gosta de gatos? Adora ver os bebes?
Pois, mas n são um brinquedo ... que lhes acontece no dia que ela não puder mais tomar conta deles?
A mim preocupa-me as pessoas k (nao) pensam assim ...

Bjos

Isabel

Aline disse...

Sabe, em partes sou contra a lobotomização da castração e consequente escracho que pessoas que não tem cães castrados recebem. Tenho uma castrada e dois inteiros.. mas isso porque não há cadelas na minha rua (sim..por incrivel que pareça), não tem como eles fugirem pq são dois portões antes da rua e eles ficam dentro de casa e se houver necessidade e eu adotar uma fêmea a PRIMEIRA COISA será castrá-los. Sou contra a super população como causa da não castração e reprodução indiscriminada. Em tempo, adorei o seu texto. Radicalismo para mim sempre é algo que me incomoda e não percebi isso em você. Parabéns!

Casa do Pinhal disse...

Aline, bem-vinda ao blogue!
Confesso que tive alguma dificuldade em perceber o seu comentário: acha que sou radical? ou antes pelo contrário?
A verdade é que sou um bocado radical, sou sim! É que a dimensão do problema de superpopulação de cães e gatos é tão grande (até me apetece dizer: tão enorme) que não se vai a lado nenhum com panos quentes, são necessárias medidas drásticas. É essa a minha opinião.

"Sempre que um cão sai das minhas mãos para uma nova família, desejo que o tratem tão bem, ou ainda melhor, que eu. Desejo que compreendam que o cão não entra na suas vidas para os fazer felizes, mas, inversamente, a ideia é eles fazerem feliz o cão."