Spring, a Branca de Neve


Esta cadela foi abandonada anteontem. Alguém a terá visto a ser expulsa de um automóvel. Creio que não anotaram a matrícula.
Foi recolhida por alguém que não pode ficar indiferente. A magreza extrema, o andar cambaleante suplicavam urgência. Se nada fosse feito, estaria destinada a morrer em breve.
Ontem foi ao veterinário e aguarda-se os resultados das análises.
Chegou à Casa do Pinhal já de noite. Dormiu na garagem, separada dos outros, que não se mostrou sociável com eles. Com as pessoas, não poderia ser mais meiga.
Segue-me para todo o lado, cambaleando, com dificuldade em pousar uma das patas traseiras. Deixa-me colocar-lhe gotas nos olhos e tratar as feridas das patas. Tem uma das almofadas desfeita e muitas feridas. Parece que andou muito, muito.
Come pouco de cada vez, mas vai comendo. Dou-lhe a comida na boca e ela faz um esforço. Não insisto muito.
Olha-me com olhos sofridos e encosta a cabeça à minha mão. Deixa-se cair no chão e deseja que a continue a acariciar para sempre.
Enquanto fecha os olhos, repito-lhe: vais ficar boa, vais ficar boa…

2 comentários:

MANCHOLAS disse...

Fico comovida quando aparecem pessoas com tanta compaixao , num planeta cheio de pessoas maquiavélicas. Tenho um amigo de 4 patas, muito especial, pois nao gosta de seres humanos, mas caso um dia precise de me ausentar, sei que ai na Casa do Pinhal, seria tratado da mesma maneira que eu o trato. Obrigada por ter dado a mao a esta cadela tao sofrida. Vou a partir de agora acompanhar este blog. pois vale mesmo a pena." Nao basta ter pena, temos que agir". Eu já faço a minha parte: Deixei de os comer!!

Anônimo disse...

Boa sorte Spring, linda menina!

"Sempre que um cão sai das minhas mãos para uma nova família, desejo que o tratem tão bem, ou ainda melhor, que eu. Desejo que compreendam que o cão não entra na suas vidas para os fazer felizes, mas, inversamente, a ideia é eles fazerem feliz o cão."