4 de Maio


Hoje li “Timbuktu” do Paul Auster.
A história comoveu-me por ser contada do ponto de vista canino. Comoveu-me porque não há amor como o dos cães.
Chorei.

2 comentários:

Isabela Figueiredo disse...

Eu também chorei. Não há amor como o dos cães.

contasdevidro disse...

Timbuktu é um livro fabuloso, de resto o amor é só uma hierarquização do gostar. Mas não há dúvida de que os c@es apreciam os seres humanos...

"Sempre que um cão sai das minhas mãos para uma nova família, desejo que o tratem tão bem, ou ainda melhor, que eu. Desejo que compreendam que o cão não entra na suas vidas para os fazer felizes, mas, inversamente, a ideia é eles fazerem feliz o cão."